ALBERT SCHWEITZER (1875-1965)

 

 

 

VRB – O mundo, cada vez mais globalizado, com acelerado crescimento populacional, aumento exponencial da tecnologia não parece ter diminuído a insegurança básica do ser humano?

 

Schweitzer – O mundo tornou-se perigoso, porque os homens aprenderam a dominar a natureza antes de se dominarem a si mesmos.

 

VRB – A espiritualidade tem-se ressentido com esse progresso, dado ao avanço da ciência notadamente na neurofisiologia.

 

Schweitzer – A nossa civilização está condenada porque se desenvolveu com mais vigor materialmente do que espiritualmente. O seu equilíbrio foi destruído.

 

VRB – Essa circunstância está resultando no incremento do ateísmo, o que pode levar muitas pessoas à descrença e a uma atitude pessimista perante a vida.

 

Schweitzer – A quem me pergunta se sou pessimista ou otimista, respondo que o meu conhecimento é de pessimista, mas a minha vontade e a minha esperança são de otimista.

 

VRB – Porém, com a idade avançada e envolvida em um mundo de mudanças muito rápidas, as pessoas podem tornar-se menos esperançosas e perderem o entusiasmo que tinham na sua mocidade.

 

Schweitzer – Os anos enrugam a pele, mas renunciar ao entusiasmo faz enrugar a alma.

 

VRB – Em circunstâncias adversas, as pessoas têm extrema dificuldade de serem felizes. A felicidade é uma construção e poucos são os indivíduos habilitados para exercer essa engenharia de natureza estritamente pessoal.

 

Schweitzer – Só são verdadeiramente felizes aqueles que procuram ser úteis aos outros.

 

VRB – O sofrimento, em muitos casos, é um fator de infelicidade crônica. Uma pessoa infeliz nunca é uma boa conselheira nesse assunto.

 

Schweitzer – A quem o sofrimento pessoal é poupado, deve sentir-se chamado a diminuir o sofrimento dos outros.

 

VRB – O dever fazer algo não produz satisfação. É difícil agir sem motivação. Para algumas pessoas, se torna uma “ação heróica”.

 

Schweitzer – Não há heróis da ação; só heróis da renúncia e do sofrimento.

 

VRB – Há poucos heróis desse tipo. Só os grandes homens podem resolver os grandes problemas,

 

Schweitzer – Para nós os grandes homens não são aqueles que resolveram os problemas, mas aqueles que os descobriram.

 

VRB – Não percebo diferença entre eles. Apesar disso, nem todos sabem resolver seus problemas pessoais, a sua própria tragédia.

 

Schweitzer – A tragédia da vida é o que morre dentro do homem enquanto ele vive.

 

VRB – Muito se fala de ética: uma ética para o ser humano, uma ética para a vida em geral.

 

Schweitzer – Um homem é verdadeiramente ético apenas quando obedece sua compulsão para ajudar toda a vida que ele é capaz de assistir, e evita ferir toda a coisa que vive.

Quando o homem aprender a respeitar até o menor ser da criação, seja animal ou vegetal, ninguém precisará ensiná-lo a amar seus semelhantes.

 

VRB – O exemplo é mais convincente do que o discurso. É mais contagioso do que a mais fascinante retórica

 

Schweitzer – Dar o exemplo não é a melhor maneira de influenciar os outros. É a única.

Não devemos contentar-nos em falar do amor para com o próximo, mas praticá-lo.